18 de mar de 2010

Orgânica



Os ossos a sós não fazem barulho
Não rangem
Estalam
mudos dores reumáticas

Enquanto articulo idéias
Medulam palavras
Calcifica o tempo estanque
a poesia
Verte dos poros
Fluidos do tempo

Está a fibra reduzida a pó
E somente os pelos
Pressentem do fluxo
A força cinzenta que desfalece

Fio-a-fio a perene harmonia
(hormônica?)
Impede-me de ser apenas matéria
E transcende
prescinde da massa
do plasma
da morte a que o sangue impele.


Por Amanda SchArr


Share/Bookmark

5 comentários:

Adriana Gehlen disse...

é. vamos movimentar nossos ossos e sair do reumatismo 'insexual'.

vamo vamo, amanda!

Adriana Gehlen disse...

não que o post tenha cunho sexual... só minha opinião. he-he

Amanda SchArr disse...

ca ra leo! juro que não tinha pensado por esse viés. mas (relendo) cabe perfeitamente...

Amanda SchArr disse...

putz, isso também ficou meio dúbio. ou não. é tua influência.
acho que, como diria o marcus, tou meio freudiana. inconscientemente, claro...
huahuahuuahua

lady delish disse...

a-do-ro esse (e mais vários, é verdade..)
e já te falei, Amanda, que eu também achei que esse poema possui cunho sexual. bem sexual.
mas, enfim, eu te disse que ia me mostrar e aqui estou :)
são os dois blógues, um pra dramas de mulherzinha e outros com bonitezas.
ah, e não tenho pretenção alguma de fazer algo bom é sóóó uns desabafinhos ou uns desabafões.. hehe
beijos beijos para o trio (ps: FEFA, apareça!)