25 de out de 2010

Carta fraterna



Hoje colhi amoras no quintal
Fez sol. Lembrei que há anos disse que faria as malas,
extravasaria as salas, 
mas fiquei.


Pensei que talvez, aí o céu não esteja tão azul
Mais ao sul os tempos até são bons
Agora, mando nas minhas cores,
ao meu gosto misturo tons.


Ainda há muito exagero,
mas este apego aos extremos
é um mal que já não temo.
É preciso viver, isso é tudo.


Faltam respostas
são questões diversas 
que me repartem em postas
Muito embora,
nunca houve porque me arrepender.


Quando vou?
É outubro ainda,
enquanto o ano não finda
passo fundo tá pra mim.


Mas logo será
ou tudo, ou nada.
Prometo, 
enviar notícias seladas
e fotografias de cartão postal.


As mochilas vão ser leves,
sem muito step.
Só uma muda
de roupa,
de amora.


Se chover na capital,
quando o céu ficar so down
Mana,
lembra sempre:
amor há.

Por A. SchArr
Share/Bookmark

10 de out de 2010

Domingo escrito (vermelho) com pouca luz



Um dedo amassado
na porta da camionete Ford 77
Pinga vermelho pelas escadas
Subida doída
Tardo domingo nos pingos

Indica dor
a ponta do dedo aberta
Janela desperta
enquanto os meninos vizinhos
na sacada, brincam de cabra-cega

Pendentes fatos e fotos
Afasta a dor lembrando
um quase amor comunista
Meia quadra adiante,
tijolos à vista.
Taças, trilhas e tiras

Latente pulsa a pele
moída ao redor da unha
Lenço encarnado
tapando a ferida.
Anular aperta uma tecla.
Cerra a janela

Escreve com baixa luz
Os devaneios devassos da autora
contidos no ralo espaço.
Procurar o foco,
beber do quadro

Retratar a intimidade alheia
com pouca tinta
Enquanto o dedo pinta
tenta uma ponte
Entre a ficção e a vida


Por Amanda SchArr

Share/Bookmark