21 de jul de 2010

Música-cerveja e vinho-sagu


Imagem: Egon Schiele, The Family (1918)

Os bêbados de Bariloche eram tão iguais a nós que cheguei a pensar que estava lá quando estava aqui. Não sei se foi o álcool, não sei se foi o sorriso-aliviado, mas o mundo agiu estranho e deu voltas para trás. Nós estávamos lá. Exatamente onde sempre estivemos aquelas tantas e tantas vezes. E aquele alguém mudou o cabelo, aquele outro mudou a casa, o espetáculo mudou o cenário e você mudou de par. Mas o cheiro do mundo continua o mesmo. E o cachorro sente frio e o bêbado sente a esperança de esquecê-lo em um cigarro. E os alguéns acham que o cachorro precisa de uma casa. E o fumante acha que dará esmola para o bêbado quando lhe estende um maçinho branco. E eu acho que o razoável é não fazer nada. Só beber a futilidade. Enrolada em um casulo de penas-e-pêlos esperando ver de quem foi a vez de morrer de frio. Rejeitando as carnes e desejando os carros. Que passam e passam como luzes quentes e lindas, misturando o vermelho e o amarelo como o cheiro do vinho e da cerveja que habitam em mim. Se quando eu deitar rolar o mundo, que ele avance ao diferente. Ou, pelo menos, me leve para outro lugar.

(Fealdade)
 


Share/Bookmark

4 comentários:

Anônimo disse...

Bonito

Anônimo disse...

Nossa...agora não pára mais!!

muito bom esse tal de Fealdade.

Amanda SchArr disse...

mas tá na moda post sem assinatura e comentário sem autoria. precisamos identificar nossa vaaaasta audiência, minha gente. hehe

bueníssimo!!! mas olha, agora com o trio completo este blog ficou muito mais bonito, com as distintíssimas palavras do terceiro elemento.

e eu também quero que ele avance ao diferente ou me leve para outro lugar...

filomena disse...

rejeito os carros. quero carne. e aí ando de onibus.

adorei, fealdade.